• AJUSTE SUA ROTA

Ajuste suas emoções e sentimentos

Pensamento, emoção, sentimento: ação

Ajuste suas emoções e sentimentos


Como você tem enxergado o mundo externo? Para iniciar esse capítulo torna-se e


ssencial tomar consciência sobre o pensamento. Sobre a formação dos pensamentos ainda há muito o que se estudar e não se tem um consenso entre os pesquisadores sobre isso.


No entanto os estudos sobre o que é o pensamento ou pensar, produziu vasta literatura e podemos nos valer de alguns conceitos para o entendimento da importância dos pensamentos para a consolidação do ser humano com um ser racional, emocional, intuitivo dentre tantos outros aspectos que nos constituem.

O ato de pensar permite aos seres modelarem sua percepção do mundo ao redor de si, e com isso lidar com ele de uma form


a afetiva e de acordo com suas metas, planos e desejos. Para Piaget, o pensamento é fundamental no processo de aprendizagem. O pensamento é construtor e construtivo do conhecimento. A atividade de pensar confere ao homem “asas” para mover-se no mundo e “raízes” para aprofundar-se na realidade.

A ciência que estuda as emoções é a psicologia, porem a neurociência tem trazido contribuições importantes para a compreensão do comportamento do cérebro e das emoções e sentimentos.

Os estudos sobre as emoções é algo complexo, como complexo é o ser humano. Atualmente são catalogadas mais de uma centena de emoções que uma pessoa pode sentir. Nesse exato momento você está sentindo uma determinada emoção ao ler esse capítulo ou esse parágrafo.


O que está sendo dito através das letras podem estar causando diversas emoções que podem ser percebidas pelas nossas ações ou expressões corporais, e mesmo sem expressões tão evidentes, sentimos essas emoções e isso é muito natural e saldável.

Talvez você acredite que as emoções cheguem até você e que No processo de ajuste das emoções é importante saber que elas são causadas por fatores externos e internos. Fatores externos são aqueles que tem origem no mundo externo, que pode ser a interação com outra pessoa ou qualquer interação que você tenha com o ambiente. Através dos sentidos, percebemos o que está ao nosso entorno e a essas percepções atribuímos significado.


Cada indivíduo irá interpretar de forma diferente um mesmo evento. As imagens que são formadas, os cenários que são montados pela mente, é a forma como interpretamos e a tudo isso damos o significado que conseguimos, baseado nos conhecimentos que possuímos ou o que seja mais conveniente para nós.


Como vamos crer se não há quem pregue? Como crerão naquele de quem não ouviram falar? Nessa passagem que encontramos na carta de do apostolo Paulo aos Romanos e é evidente que fala de anunciar o evangelho de Jesus Cristo. Mas imagine uma nação pagã da época que não ouviu falar de desse evangelho, como eles iriam obedecer os mandamentos, ou acreditar numa salvação da qual eles não tiveram conhecimento.

Nós criamos a realidade externa baseado nas informações que temos em nossa mente. Quando ainda adolescente tive uma experiencia interessante. Certo dia, voltando de um serviço, vinhamos meu pai, eu e mais alguns homens, andando por uma estrada em uma fazenda, da qual meu pai era gerente.


De repente um dos homens avistou uma ave e alertou o restante do grupo. Tratava-se de uma Jacutinga, uma ave muito bela encont


rada na região.


Todos enxergaram a ave menos, pois nunca havia visto uma Jacutinga, nem mesmo por foto. Então perguntei: onde está, eu não consigo ver. Um dos homens começou a descrever as características da ave e conforme ele falava, comecei a enxergar as partes da ave conforme ele ia falando. A jacutinga estava há uns 10 ou 15 metros de distância, pousada em cima de um mourão da cerca entre as folhagens. Fiquei muito impressionado com aquilo.

Num episódio, anos mais tarde quando assistia a um documentário sobre a história do Brasil, o narrador falava que quando as caravelas portuguesas chegaram a costa do atlântico, os indígenas que aqui habitavam não conseguiam enxergar as grandes naus ancoradas a certa distância da margem.


Segundo o narrador, o fato de os nativos nunca terem visto algo semelhante, os impedia de enxergar a imagem das embarcações. Após serem informados sobre a existência das embarcações e suas características, eles puderam construir uma imagem em suas mentes a respeito de algo que existia.

A psicologia coloca da seguinte forma: Os indígenas viram, porém não enxergaram, posto que a memória visual daquelas pessoas, não tinham onde buscar referências para assimilar a visão daquelas embarcações que se aproximavam pelo mar.

A partir do momento em que, tanto os indígenas quanto eu fomos informados sobre a existência de um grande objeto ou de uma pequenina ave, um novo elemento foi incluído no sistema de crenças, no campo das memórias visuais. A partir de então, não só um novo elemento passou a existir para esses personagens, mas um significado a respeito foi construído.

A notícia trazida por alguém em ralação a algo que ocorreu em um determinado lugar, algo bom ou ruim. Quem trouxe a informação tem sua própria visão e ponto de vista em relação ao fato. Quem está recebendo a informação terá sua interpretação própria sobre o ocorrido relatado e tudo isso é baseado no seu sistema de crenças.

Crenças, como dito no capítulo anterior é a aceitação de que algo é verdadeiro ou real. Em sua mente de acordo com o conjunto de inf


ormações recebidas ao longo da vida é formado um sistema de crenças e é por esse sistema que o organismo expressa reações.

Segundo especialista, para que uma emoção seja expressa, uma serie de reações químicas acontecem no corpo, uma delas é a ordenação do cérebro para realizar a liberação de adrenalina e cortisol no sangue, e assim as reações do corpo são mais evidentes dependendo da emoção que está sendo experimentada naquele momento. Se for medo, o corpo irá se preparar para a fuga, o enfrentamento ou a paralisia frente a ameaça.

A outra maneira de as emoções se manifestarem, é através de estímulos internos. São as lembranças, memórias que vem a tona e até ideias que surgem e causam reações no organismo, semelhante ao que acontece no caso dos estímulos externos. Um exemplo Há algumas divergências entre os pesquisadores quanto ao controle das emoções.


Alguns afirmam que as emoções não podem ser controladas, pois são instintivas, funcionam a nível inconsciente, abaixo da linha de percepção e normalmente entram em ação como um sistema de proteção, de auto preservação, como no caso de se deparar com um animal potencialmente perigoso, a reação mais lógica é se defender, seja se afastando ou enfrentando.

De outro lado há os que direcionam o assunto mais para o lado das relações humanas e para o convívio da pessoa com ela mesma. Quand


o é admitido que há os estímulos internos, é possível afirmar que os pensamentos provocam emoções, sendo assim, se for possível controlar os pensamentos, é possível, ao menos no âmbito interno, controlar as emoções.

Emoções servem para gerar comportamentos Segundo o professor e pesquisador Pedro Calabrez, sentimento é a percepção consciente e parcial de uma emoção e são acionados circuitos cerebrais diferentes para cada um deles; e ainda que é possível que ocorra emoções e todas as reações químicas no corpo, e nem tomemos consciência de ela ocorreu e portanto não se torna um sentimento. A reação emocional ocorrida em um episódio onde há o reencontro de parentes

Primeira publicação: 23/04/2020


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo